HOME

ESCRITÓRIO

EQUIPE

ATUAÇÃO DO ESCRITÓRIO

NOTÍCIAS

CONTATO

OUVIDORIA

Imposto de Renda 2018: veja 4 motivos para declarar mesmo sem ser obrigado

Imposto de Renda 2018: veja 4 motivos para declarar mesmo sem ser obrigado

Mesmo que não tenha recebido mais de R$ 28.559,70 em 2017 ou se enquadre nas demais condições que tornam obrigatória a declaração do Imposto de Renda 2018, o brasileiro pode prestar contas com a Receita Federal se quiser.

 

Mas por que alguém vai enviar a declaração à Receita Federal sem ser obrigado?

 

O G1 listou quatro motivos para declarar o IR, com a ajuda de Heber Dionísio, sócio e contador responsável pela operação da Contabilizei Contabilidade e Janssen Murayama, advogado tributarista, sócio do Murayama Advogados.

 

1. Emissão de visto: o contribuinte pode ter de apresentar a declaração ao consulado de um país para emissão de visto de viagem ao exterior;
2. Restituição de imposto: Quem teve retenção ou pagamento de imposto em algum mês durante o ano, pode fazer a declaração para reaver parte ou todo o imposto. A restituição será feita com os valores reajustados pela taxa Selic;
3. Comprovante de renda: a declaração de Imposto de Renda é utilizada hoje por bancos financeiros como comprovante de renda. Isso pode ajudar trabalhador sem carteira assinada a conseguir, por exemplo, crédito em bancos;
4. Comprovante de patrimônio: O contribuinte também pode comprovar situação patrimonial, uma vez que os bens devem estar justificados na declaração.

 

Fonte: G1 – Economia

 

Esta notícia também foi publicada em: Alagoas NT, Diário Arapiraca, Portal Guandu, Gazeta Web (Gazeta de Alagoas online)Centralizada Tocantins, Repórter 1, Jornal Tijucas, Rádio Evangelho, Bom Lugar Informa, Z1, AW Informática, Spednews, Barros Auditores e Consultores, Vasconcelos Consultoria Contábil, Tesouro Invest, JOTA Contábil.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

TRF analisará retorno do PIS/Cofins sobre receitas financeiras

TRF analisará retorno do PIS/Cofins sobre receitas financeiras

Trecho da notícia publicada no Valor Econômico, com a participação do sócio Janssen Murayama: BRASÍLIA - O Tribunal Regional Federal (TRF) da 2ª Região (RJ e ES) pode julgar, antes do Supremo Tribunal Federal (STF), se a incidência de 4% de Cofins e 0,65% de PIS...