HOME

ESCRITÓRIO

EQUIPE

ATUAÇÃO DO ESCRITÓRIO

NOTÍCIAS

CONTATO

OUVIDORIA

Mudanças no Código Tributário do Rio atingem setor de óleo e gás

Mudanças no Código Tributário do Rio atingem setor de óleo e gás

 

A prefeitura do Rio de Janeiro propôs alterações no Código Tributário da cidade que atingirão segmentos do setor de petróleo e gás. Uma delas diz respeito às empresas de aquisição de dados que prestam serviços de cessão de direito de uso de dados sísmicos não exclusivos. Elas ganharam um parcelamento especial para pagamento de débitos do Imposto sobre Serviços (ISS). “A lei 6264 institui que, se as empresas pagarem à vista o saldo restante da imposto, recebem desconto de 60% no imposto e de 80% nos acréscimos moratórios e multas”, explica o advogado tributarista Janssen Murayama. “Se o pagamento for feito em até 12 parcelas, o desconto do tributo passa a ser de 60%, e o dos acréscimos, de 50%”, completa.

 

Já a lei 6262 concede reduções da alíquota de ISS a serviços da cadeia de óleo e gás, inclusive provendo incentivos fiscais a empresas que se instalarem em bairros carentes da periferia da Zona Norte. A prefeitura fixou em 3% a alíquota de ISS sobre os serviços de logística relacionados à exploração e explotação de petróleo e gás; e em 2% a parcela relativa a serviços de implementação, intervenção e interligação de poços marítimos. Neste último caso, têm direito ao benefício os estabelecimentos localizados nos bairros de Acari, Barros Filho, Cordovil, Costa Barros, Jardim América, Parada de Lucas, Parque Colúmbia, Pavuna e Vigário Geral. “Em regra, a alíquota é de 5% de ISS”, esclarece Murayama.

 

Janssen Murayama é advogado tributarista, sócio do Murayama Advogados, graduado em Direito e Ciências Contábeis pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), fundador e Diretor do Grupo de Debates Tributários – GDT; mestre em Finanças Públicas, Tributação e Desenvolvimento pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); diretor Administrativo-Financeiro da Associação Brasileira de Franchising Rio de Janeiro (ABF Rio) e professor convidado do FGV Law Program e do programa de pós-graduação em Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF). Conta com experiência de 16 anos em escritórios de advocacia, tendo atuado principalmente nas áreas de contencioso e consultoria tributária.

 

Fonte: Site TNPetróleo.

 

Esta notícia também foi publicada por Guia Offshore.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RFB acrescenta novos itens no Manual do Repetro-Sped

RFB acrescenta novos itens no Manual do Repetro-Sped

A Receita Federal divulgou em seu site novos itens do Manual do Repetro-Sped, que tratam dos aspectos gerais, habilitação, aplicação e situações especiais do Repetro-Industrialização.Para ter acesso ao referido item, clique aqui.

Fabricante de Produtos Finais no Repetro-Industrialização

Fabricante de Produtos Finais no Repetro-Industrialização

A Receita Federal, por meio da Solução de Consulta COSIT nº 82/2021, publicada no dia 24 de junho de 2021, esclareceu que a empresa fabricante de produtos finais, habilitada no Repetro-Industrialização, que utilizar os produtos finais por ela produzidos diretamente...

Habilitação Plena e Parcial no Repetro-Sped

Habilitação Plena e Parcial no Repetro-Sped

A Receita Federal divulgou em seu site novos itens do Manual do Repetro-Sped, que tratam da habilitação plena e da habilitação parcial no Regime.Para ter acesso aos referidos itens, clique aqui.