HOME

ESCRITÓRIO

EQUIPE

ATUAÇÃO DO ESCRITÓRIO

NOTÍCIAS

CONTATO

OUVIDORIA

Tributarista Janssen Murayama alerta para risco de desemprego gerado pela reoneração da folha de pagamento

Tributarista Janssen Murayama alerta para risco de desemprego gerado pela reoneração da folha de pagamento

A partir de julho, cerca de 50 setores não serão mais contemplados com a desoneração da folha de pagamento. No final de março, o governo federal anunciou o fim da política adotada em 2011, que trocou a contribuição patronal de 20% sobre a folha para a Previdência por alíquotas sobre a receita bruta das empresas. A partir deste ano, apenas as áreas de construção civil, transporte de passageiros e comunicação (jornalismo e radiodifusão) não serão incluídas na mudança. A guinada, porém, não obteve aprovação total.

 

Num momento em que o mercado de trabalho não para de encolher, a medida pode acabar jogando contra este fator econômico. “Trata-se de um retrocesso, afinal, onera a folha de salários e, consequentemente, aumenta o desemprego”, defende o advogado tributarista Janssen Murayama, fundador do Grupo de Debates Tributários (GDT) e professor convidado da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

 

A análise vai ao encontro das previsões de entidades representativas. A Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), por exemplo, prevê que o setor de tecnologia da informação pode perder 83 mil postos de trabalho nos próximos três anos se as alterações forem mantidas. Já a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) destaca que os fabricantes de alimentos, de equipamentos de transportes e de couros, que empregam mais de 2,7 milhões de pessoas, deverão arcar com 62% do ônus que caberá à indústria.

 

Enquanto isso, outros especialistas afirmam que a medida não será tão eficaz na geração de arrecadação como prevê o governo. Economistas do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) e do Instituto de Direito Público (IDP) concluíram que a Receita deve arrecadar R$ 1,6 bilhão a menos do que o previsto com o fim da desoneração.

 

As previsões iniciais davam conta de que R$ 4,8 bilhões engordariam os cofres do governo. Porém, a pesquisa estima que esse valor seja de R$ 3,2 bilhões em 2017 e R$ 7,8 bilhões, no ano que vem. Isso se deve, em grande parte, ao arrefecimento da economia, que minou o número de empregos formais. Com menos empregados, a desoneração vinha sendo menos aplicada nos últimos anos.

 

Janssen Murayama entende que a alternativa para sindicatos patronais e empresas é tentar, na Justiça, manter o benefício e conseguir sua inclusão ao pequeno grupo de setores que vão continuar com as desonerações. “No entanto, não é possível assegurar êxito, pois existem poucos precedentes sobre o tema”, adverte. Em paralelo, a imprensa noticia que fortes lobbies, como o da construção civil, têm pressionado Brasília a flexibilizar a regra e incluir mais divisões da economia.

 

Fonte: Jornal da Construção Civil

NOTÍCIAS RELACIONADAS

TRF analisará retorno do PIS/Cofins sobre receitas financeiras

TRF analisará retorno do PIS/Cofins sobre receitas financeiras

Trecho da notícia publicada no Valor Econômico, com a participação do sócio Janssen Murayama: BRASÍLIA - O Tribunal Regional Federal (TRF) da 2ª Região (RJ e ES) pode julgar, antes do Supremo Tribunal Federal (STF), se a incidência de 4% de Cofins e 0,65% de PIS...